RESET
08-12-2018
RESET

Já todos experimentamos a ideia de RESET de um qualquer computador doméstico. Um número gigantesco de micro-componentes eletrónicos significa fenómenos incompreensíveis de "comportamento". Nada como desligar e ligar outra vez.

 

Nós, com os nossos 70 mil milhões de neurónios, igualmente beneficiamos tremendamente de um RESET de tempos a tempos, embora o botão de desligar não venha incorporado da mesma forma.

 

Felizmente que vão existindo no calendário períodos favoráveis a esta operação de reiniciar os nossos "transistores" mentais. E o Natal + Passagem de Ano são ótimos para isso. Para mim, um extra: o meu aniversário por esta altura.

 

Para lá da correria desenfreada às prendas, imersos num trânsito apocalíptico, podemos bem apreciar a serenidade e sintonia que existem para lá de todo esse ruído aparente. Para lá das picardias familiares em noite de consoada, podemos escutar, sem intenção, e sintonizar com o lado emocional que existe como pano de fundo. Funciona como nos rádios antigos: um botão que se roda cuidadosamente, à procura da frequência certa.

 

E, quando menos esperamos, sem que nada em especial tenha que acontecer lá fora... PUFF! Vem um mar de silêncio interior. Que de tão estranho até incomoda. Chama-se RESET. E o meu apelo é que se deixem acomodar por ele. Mergulhar, à medida que tudo continua a acontecer no "mundo das coisas", apenas sem o habitual sequestro emocional que o stress de fazer nos traz.

 

Claro que ainda falta a prenda para o tio Zé, claro que é crucial demolhar o bacalhau, claro que há mil e um detalhes que queremos, porque queremos, que corram exatamente da maneira X e Y, para nos salvarmos dalguma ameaça de incumprimento que algures inventamos. Mas... há tanto para lá disso.... mesmo tanto!!! Tão mais simples. Tão mais a apreciar a arte divina com que nos foi permitida esta experiência temporária de termos consciência de existir. Tão síntona com uma sensação de privilégio por poder captar nas nossas minúsculas mentes uma fração do que é universal...

 

Neste Natal, aproveite para carregar no seu botão interno de reiniciar... e deixe que tudo fique mais simples do que parece.

 

Gonçalo Gil Mata

 

 

 

 

(Foto: eu, há mais de 15 anos, no sul de Marrocos)

 

Leave a comment:

Name *
E-mail
Message *
Verification